A definição de meditação pode variar de acordo com o contexto em que se encontra, variando de qual religião tem origem ou se é usada de maneira secular. Em meio acadêmico, a meditação já chegou a ser dividida em dois tipos de abordagem. A "atenção focada" compreende a concentração voluntária num objeto, respiração, imagem ou palavras. O outro tipo, o "monitoramento aberto", envolve uma observação não-reativa do conteúdo da experiência que ocorre num dado momento.[

Algumas distintas definições que normalmente são usadas para meditação são:

  • prática de focar a mente em um único objeto (por exemplo: em uma estátua religiosa, na própria respiração, em um mantra);
  • uma abertura mental para o divino, objetivando a orientação de um poder mais alto;
  • um estado de silêncio que é vivenciado quando a mente se torna vazia e sem pensamentos;
  • contemplação da realidade e seus aspectos, (como a impermanência, por exemplo),
  • desenvolvimento de uma determinada qualidade mental, como energia, concentração, plena atenção, bondade, etc 
  • pensamento sustentado e aplicado em um tema (como na meditação cristã)

Ainda que algumas definições da palavra 'meditação' usadas por diferentes religiões sejam bem diferentes e até mesmo contraditórias, é ponto comum que apontem para uma realidade interior e o desenvolvimento/compreensão desta realidade. A compreensão de o que é meditação deve ser feita sempre dentro do contexto em que é apresentada, da religião ou da escola que a apresenta, caso contrário as distintas explicações podem se tornar contraditórias.